Logo Baru Observatório

Série Especial - Gestão Ambiental como estratégia empresarial

“Obter sustentabilidade ambiental juntamente com o crescimento econômico passou a ser algo primordial para os administradores. Não responder a tais anseios significa perder competitividade dentro do cenário globalizado, onde a questão ambiental é tida como um fator estratégico”, avalia a economista Eloisa Arantes Ostrosky.

Um placeholder qualquer

Letícia Jury

10 de novembro de 2023

Compartilhe nas redes sociais

Eloísa Arantes Ostrosky é autora do artigo ‘A gestão ambiental aliada à gestão estratégica das organizações’. Graduada em Ciências Econômicas na Universidade Estadual de Goiás, ela tem Mestrado em Agronegócios na Universidade Federal de Goiás e cursou as disciplinas de Agronegócio e Desenvolvimento Sustentável e Nova Economia Institucional, como aluna especial, nível de doutoramento, no Programa de Pós-Graduação em Agronegócios-UFG. 

Professora de Gestão Ambiental, Sustentabilidade e Responsabilidade Social das Organizações, no Centro de Ensino Superior de Jataí- Cesut, do curso de Administração, ela participa dessa série especial do BARU, em que vamos trazer três matérias sobre o tema do artigo. Inicialmente, ela explica que sua pesquisa teve por objetivo apresentar a importância da variável ambiental para alcance de melhores resultados organizacionais.  “No trabalho procuramos apresentar a importância da gestão ambiental como fator determinante na gestão estratégica nas organizações”, diz. 

Para tanto, como ela explica, foi utilizado o Balanced Scorecard como ferramenta administrativa para integrar a gestão ambiental às estratégias organizacionais.  “Foi proposto um mapa estratégico ilustrativo que tem por finalidade integrar e descrever as estratégias buscando transformar os ativos intangíveis como o meio-ambiente em resultados tangíveis.  Através da pesquisa realizada verifica-se a necessidade de atenção à variável ambiental para melhoria da gestão estratégica das organizações”, detalha.      

Falar de sustentabilidade e gestão ambiental junto as empresas é algo recente? Eloisa Ostrosky  diz que não, desde a década de 60, as organizações vêm reestruturando-se no sentido de atender a demanda crescente de uma sociedade cada vez mais preocupada com as questões ambientais. 

Na avaliação da economista, a racionalidade econômica, que busca o lucro máximo por parte dos empresários, tenta equacionar formas emergentes de administrar com a finalidade de atender esta crescente conscientização ecológica. “Obter sustentabilidade ambiental juntamente com o crescimento econômico passou a ser algo primordial para os administradores. Não responder a tais anseios significa perder competitividade dentro do cenário globalizado, onde a questão ambiental é tida como um fator estratégico”, avalia. 

Ela diz ainda que nas últimas décadas, muitas organizações têm inserido a questão ambiental em seus negócios, buscando se adequarem dentro de um novo paradigma, aprimorando, consequentemente, sua forma de administrar. “A busca pela sustentabilidade ambiental faz com que as empresas se voltem para uma administração ambiental visando resolver os problemas ligados ao meio-ambiente sendo este um fator estratégico das organizações”.

Na próxima matéria da série, Eloisa Ostrosky cita Elkington e Burke (1989, apud Donaire, 1999), e detalha como atingir a excelência ambiental. Não perca!

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.