Logo Baru Observatório

Marina Silva enfatiza a importância de uma agenda de transformação no combate às mudanças climáticas

“Estamos na agenda da mitigação e da adaptação, mas se não entrarmos na agenda de transformação, não tem saída. É preciso mudar a maneira de produzir, de consumir e de nos relacionarmos uns com os outros, com a gente mesmo e com a natureza. Se não for isso, a gente não dá conta”, afirmou a ministra

Diário de Goiás

24 de setembro de 2023

Compartilhe nas redes sociais

A Ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima Marina Silva, destacou em um evento realizado em São Paulo, na sexta-feira (22), a importância de expandir a abordagem das medidas de mitigação dos impactos das mudanças climáticas e iniciar uma agenda de transformação. Em síntese, a meta é prevenir a chegada a um ponto crítico no qual as florestas não conseguiriam mais se recuperar ou regenerar.

Durante sua participação em uma mesa de discussão sobre os desafios da seca e das inundações, realizada em um fórum promovido pela Virada Sustentável no Unibes Cultural, a ministra enfatizou a necessidade de mudanças profundas na forma como produzimos, consumimos e nos relacionamos com a natureza e entre nós.

Leia também: ‘Rapidez’ nas mudanças climáticas globais preocupa ONU

Em primeiro lugar, Marina ressaltou que, caso essa transformação não ocorra, o mundo colocará em risco suas próprias populações. A ministra citou exemplos recentes de eventos climáticos extremos no Brasil, como as inundações no Vale do Taquari, que resultaram em 47 mortes devido às emissões excessivas de carbono na atmosfera, que provocaram chuvas intensas em curtos períodos.

Nesse sentido, Marina destacou a necessidade de um despertar coletivo, não apenas por parte dos governos, mas também das empresas, artistas, cidadãos e da sociedade em geral, para enfrentar a guerra contra a vida que está sendo travada devido ao modelo atual de desenvolvimento.

 

Leia também: Mudanças climáticas podem levar 48% das espécies ao risco de extinção

Anteriormente, na Cúpula da Ambição Climática da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, realizada na quarta-feira (20), a ministra anunciou que o Brasil corrigirá suas metas climáticas, voltando ao compromisso estabelecido em 2015. Assim, com essa correção, o país se compromete a reduzir as emissões em 48% até 2025 e em 53% até 2030.

 

Durante uma entrevista realizada em São Paulo, Marina Silva, destacou os esforços do governo brasileiro para cumprir as metas climáticas estabelecidas. Ela explicou que o governo formou oito grupos de trabalho dedicados à ação de mitigação e outros 14 grupos voltados para ações de adaptação, demonstrando a complexidade do desafio.

Marina Silva enfatizou a importância de todos os países contribuírem para resolver o problema das mudanças climáticas. Ela ressaltou a necessidade do princípio da justiça climática, destacando que países em desenvolvimento e de renda média baixa precisam de apoio para cumprir suas responsabilidades climáticas. A Ministra reafirmou o papel do Brasil na liderança dessa agenda, especialmente ao reduzir o desmatamento como uma estratégia chave para diminuir as emissões de gases de efeito estufa no país.

Leia também: “A luta da sustentabilidade não seja de esquerda nem de direita”, Marina Silva ao receber a Comenda Washington Novaes

Sobre as Mudança do Clima, Marina abordou a questão do calor extremo, que tem afetado diversos estados brasileiros nos últimos dias. Ela destacou que esse calor intenso, embora seja influenciado pelo fenômeno El Niño, é um indício das mudanças em curso no planeta.

Por fim, Marina Silva ressaltou que o governo federal está atualmente focado em medidas emergenciais para enfrentar esses problemas, mas também está trabalhando na elaboração de um plano de prevenção para eventos climáticos extremos no futuro.

Fonte: Agência Brasil

Leia mais sobre: / / / / Brasil

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.