Logo Baru Observatório

Desnutrição persiste entre crianças yanomamis, mas casos são menos extremos

Em um ano de emergência no território, principal destino de casos graves segue recebendo indígenas com doenças associadas à fome

Folha de São Paulo

13 de janeiro de 2024

Compartilhe nas redes sociais

O Hospital da Criança Santo Antônio, em Boa Vista (RR), é um dos principais termômetros da crise humanitária enfrentada pelos yanomamis. Com alas minimamente adaptadas aos indígenas, equipadas com redários, e leitos de UTI, a unidade é a única em Roraima que recebe crianças com desnutrição grave e com doenças oportunistas da fome —pneumonia, anemia e diarreia.

A Folha esteve na ala dos yanomamis em janeiro de 2023, quando a crise de saúde havia atingido o ápice, e retornou ao hospital nesta quinta-feira (11), quase um ano depois da declaração de emergência em saúde pública pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), num momento em que o garimpo retoma a força na terra indígena, com impacto direto na saúde comunitária.

Os médicos afirmam que a desnutrição persiste entre as crianças yanomamis, conjugada a outras doenças, e de forma grave. Mas, segundo os profissionais de saúde, não há mais predominância de situações extremas, com quadros mais estabilizados no momento do ingresso no hospital na capital de Roraima.

O que os médicos dizem é visível para quem esteve na ala dos yanomamis em janeiro de 2023 e em janeiro de 2024.

Há um ano, a reportagem encontrou crianças magérrimas e em exaustão pelo quadro de diarreia e pneumonia, boa parte delas sem as mães, também com desnutrição grave e internadas em outros hospitais.

A ala com redários continua abrigando crianças yanomamis desnutridas, mas em situações menos extremas. Desta vez, elas estavam acompanhadas das mães. As equipes de saúde se mostravam mais otimistas quanto à recuperação, com período médio de internação de sete a nove dias.

O fluxo de pacientes internados com desnutrição, desidratação, pneumonia, bronquiolite, anemia, diarreia e malária foi maior em 2023 em comparação com 2022, o que indica a persistência da crise humanitária na terra yanomami, ainda distante de indicadores minimamente satisfatórios de saúde.

A quantidade maior de internações se refletiu numa quantidade maior de mortes de crianças. Em 2022, 703 crianças yanomamis foram internadas no Hospital da Criança; 26 morreram, pelos dados atualizados. Em 2023, primeiro ano da emergência em saúde pública, declarada pelo governo em 20 de janeiro, foram 958 internações e 37 óbitos, conforme a administração do hospital.

Leia mais no site www.folhaonline.com.br

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.