Logo Baru Observatório

Agricultura familiar produzirá 17 milhões de toneladas de soja em 2033

Escala de produção e dificuldade na adoção de novas tecnologias, porém, inibirá avanço na produção de grãos

Folha de São Paulo

26 de julho de 2023

Compartilhe nas redes sociais

Os produtores da agricultura familiar continuarão sendo os responsáveis por boa parte da produção de alimentos do país nos próximos dez anos. Pelo menos 83% dos estabelecimentos de produção de horticultura estarão nas mãos deles, somando 60% do valor da produção.

A agricultura familiar terá grande importância também na fruticultura e na floricultura. Nesta última, 70% dos estabelecimentos estarão com eles.

Os dados são projeções do Ministério da Agricultura para a safra 2032/33. Em alguns produtos, como o fumo, os pequenos produtores vão representar 94% da atividade, colocando 528 mil toneladas no mercado das 561 mil que serão produzidas pelo país.

O Ministério destaca, ainda, a importância que a agricultura familiar terá na produção de proteínas. O Brasil somará 6,5 milhões de toneladas de carne suína, e 51% desse volume sairá das propriedades da agricultura familiar. No caso da carne de frango, o percentual será de 46%, com o setor atingindo 9 milhões de toneladas.

A participação no fornecimento de carne bovina, será menor, mas ainda representando um terço do volume total de 10,2 milhões de toneladas que serão colocadas no mercado em dez anos.

Escala de produção e dificuldade de adoção de novas tecnologias, no entanto, ainda deixarão os produtores familiares longe da produção de grãos. A participação do setor na oferta nacional de arroz, feijão e milho se limitará a 12% de cada produto.

No caso da soja, a participação é ainda menor, ficando em 9%. Mesmo assim, os agricultores familiares vão colocar 17 milhões de toneladas da oleaginosa no mercado. O país produzirá 187 milhões.

A oferta total de milho será de 160 milhões de toneladas, sendo que 19,2 milhões de toneladas virão dos pequenos produtores.

Outro ponto de destaque é a oferta de leite, que atingirá de 25,5 milhões de toneladas vindas da agricultura familiar, 63% da produção nacional. Esse setor fornecerá, ainda, 35% da produção de café e 70% da de mandioca, segundo estimativas do Ministério da Agricultura.

A produção total de grãos, que atualmente está em 317 milhões de toneladas, terá potencial para 390 milhões. Para atingir esse volume, o país terá de incorporar mais 14,8 milhões de hectares de terra aos 77,5 milhões atuais.

Boa parte virá de Mato Grosso, que tem potencial para transformar 10 milhões de hectares de pastagens degradadas em área de grãos, conforme as informações do Ministério.

As maiores variações percentuais no avanço de produção e de área ficarão com a região Norte, que terá aumentos de 36,3% e 32,1%, respectivamente. O Centro-Oeste virá a seguir.

Vinho Os chilenos exportaram 166 milhões de litros de vinho com denominação de origem para o mercado externo neste primeiro semestre de 2023. O volume indica uma queda de 24% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Vinho 2 A queda ocorre porque dois dos principias importadores, China e Brasil, pisaram no freio. Os chineses, líderes no ano passado, reduziram em 40% as compras. O Brasil, que assumiu a liderança neste ano, comprou 4,4% a menos.

Nos Estados Unidos O clima deste final de julho ainda preocupa os produtores norte-americanos de milho. A região produtora tem as semanas mais quentes para o período em 30 anos.

Corte na carne Os Estados Unidos reduziram as compras de carne bovina do Brasil para 275 mil toneladas de janeiro a maio deste ano, 12% a menos do que em igual período anterior, segundo o Usda (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.