Logo Baru Observatório

GT de Sustentabilidade Ambiental busca identificar soluções para a emergência climática

Os Grupos de Trabalho (GTs) são ferramentas flexíveis que auxiliam na abordagem de desafios complexos, na criação de propostas e soluções, e na promoção da participação e inclusão de diversas perspectivas. Esses elementos são cruciais no desenvolvimento e implementação de políticas públicas eficazes e adaptadas às necessidades da sociedade.

Um placeholder qualquer

Letícia Jury

01 de fevereiro de 2024

Compartilhe nas redes sociais

Os ministérios do Meio Ambiente e Mudança do Clima (MMA) e das Relações Exteriores (MRE) apresentaram o grupo de trabalho (GT) de Sustentabilidade Ambiental e Climática do G20. A iniciativa é parte do G20 Social, proposta do governo federal para ampliar a participação social nas discussões oficiais.  Mas antes de falar sobre o assunto em sim, é necessário que todos saibam o que são os GTs e para que eles servem. 

De forma bem direta, os Grupos de Trabalho são ferramentas flexíveis que auxiliam na abordagem de desafios complexos, na criação de propostas e soluções, e na promoção da participação e inclusão de diversas perspectivas. Esses elementos são cruciais no desenvolvimento e implementação de políticas públicas eficazes e adaptadas às necessidades da sociedade.

Podemos citar cinco aspectos importantes dos GTs:

  1. Análise de Problemas Complexos: Os GTs são frequentemente formados para analisar questões complexas que exigem uma abordagem multidisciplinar. Eles reúnem especialistas de diversas áreas para analisar e compreender melhor os desafios enfrentados.

  2. Formulação de Propostas e Soluções: Os grupos de trabalho ajudam na formulação de propostas e soluções para problemas específicos. Eles podem elaborar recomendações, relatórios e planos de ação que servirão de base para a criação de políticas públicas.

  3. Consultas e Participação: Ao envolver representantes de diferentes setores da sociedade em um GT, há uma maior inclusão de perspectivas diversas. Isso pode resultar em políticas mais abrangentes e equitativas, já que diferentes pontos de vista são considerados.

  4. Implementação de Mudanças: Após a formulação das propostas, os GTs podem estar envolvidos na implementação das mudanças sugeridas. Isso pode incluir a execução de projetos-piloto, testes de viabilidade e monitoramento do progresso.

  5. Agilidade e Foco: Os GTs são geralmente criados para serem temporários e focados em tarefas específicas. Isso permite uma abordagem ágil para lidar com questões emergentes, evitando a burocracia excessiva.O que é o G20?

O G20, que reúne 19 das maiores economias do planeta, além da União Europeia e da União Africana, é um fórum de cooperação econômica internacional que atua na definição e no reforço da arquitetura e da governança global sobre as principais questões econômicas do planeta.

O GT de Sustentabilidade Ambiental e Climática busca identificar soluções para a emergência climática, além de promover a cooperação entre os países para implementá-las. A proposta da presidência brasileira é que o grupo tenha quatro eixos temáticos em 2024:

  1. Adaptação preventiva e emergencial frente a eventos climáticos extremos; 
  2. Valoração e preservação de serviços ecossistêmicos; 
  3. Oceanos; 
  4. Resíduos e economia circular.

O grupo de trabalho é um dos 15 da Trilha de Sherpas, vertente do G20 dedicada a discutir a agenda da cúpula dos líderes, em 18 e 19 de novembro no Rio de Janeiro. A perspectiva é que até novembro haja 120 reuniões de todos os GTs, incluindo encontros presenciais e virtuais. O G20 tem também uma Trilha de Finanças, que trata de assuntos macroeconômicos estratégicos. 

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.