Logo Baru Observatório

17,3 milhões de hectares foram queimados no Brasil em 2023. Você sabe o impacto desse número?

Além dos danos ambientais, as queimadas têm implicações diretas na vida das comunidades locais, afetando a agricultura, o abastecimento de água, e a saúde da população, que muitas vezes enfrenta problemas respiratórios devido à fumaça.

Um placeholder qualquer

Letícia Jury

04 de fevereiro de 2024

Compartilhe nas redes sociais

Dados divulgados pelo MapBiomas alertam que mais de 17,3 milhões de hectares foram queimados no Brasil em 2023, o que equivale a mais de 20 milhões de campos de futebol consumidos pelo fogo, afetando áreas florestais, savanas e ecossistemas únicos. Esse fenômeno não apenas coloca em risco a biodiversidade do país, mas também compromete os serviços ecossistêmicos essenciais.

Fazendo outra comparação, essa área é maior que o território de alguns estados da federação, como Acre ou Ceará. Seria como se, em um único ano, todo o território de um país como o Uruguai estivesse em chamas. O aumento em relação a 2022, quando 16,3 milhões de hectares foram atingidos pelo fogo, foi de 6%. A área atingida pelo fogo no ano passado representa aproximadamente 2% do território brasileiro. Os dados estão disponíveis na plataforma Monitor do Fogo do MapBiomas.

Segundo o portal, o pico das queimadas ocorreu nos meses de setembro e outubro, com 4 milhões de hectares atingidos pelo fogo em cada mês. Apenas em dezembro, foram 1,6 milhão de hectares queimados no país - um recorde comparado aos meses de dezembro dos anos anteriores desde 2019. Esse aumento se deve principalmente às queimadas na Amazônia. No último mês de 2023, o Estado do Pará foi o território mais afetado, com 658.462 hectares consumidos pelo fogo, seguido do Maranhão (338.707 hectares) e de Roraima (146.340 hectares).

O Brasil é um dos países mais ricos em biodiversidade, abrigando uma variedade única de espécies vegetais e animais. As queimadas indiscriminadas resultam na perda irreparável de habitats, levando à extinção de muitas espécies, algumas das quais podem ser cruciais para o equilíbrio dos ecossistemas. Além disso, as queimadas liberam grandes quantidades de dióxido de carbono na atmosfera, contribuindo significativamente para o aquecimento global. Esse ciclo vicioso agrava as mudanças climáticas, impactando não apenas o Brasil, mas todo o planeta.

Outro fator importante é que as queimadas comprometem a vegetação e muitas vezes reduzem a capacidade de absorção de água do solo. Isso pode levar a mudanças nos padrões de chuva, afetando rios, aquíferos e ecossistemas aquáticos. O fogo intenso destrói a cobertura vegetal e expõe o solo à erosão, havendo risco de desertificação, prejudicando a fertilidade do solo e a capacidade de suportar a vida vegetal. Além dos danos ambientais, as queimadas têm implicações diretas na vida das comunidades locais, afetando a agricultura, o abastecimento de água e a saúde da população, que muitas vezes enfrenta problemas respiratórios devido à fumaça.

*Sobre o Monitor do Fogo: O Monitor do Fogo é o mapeamento mensal de cicatrizes de fogo para o Brasil, abrangendo o período a partir de 2019, e atualizados mensalmente. Baseado em mosaicos mensais de imagens multiespectrais do Sentinel 2 com resolução espacial de 10 metros e temporal de 5 dias. O Monitor de Fogo revela em tempo quase real a localização e extensão das áreas queimadas, facilitando assim a contabilidade da destruição decorrente do fogo. Acesse o Monitor do Fogo e o Boletim Mensal de dezembro

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.