Logo Baru Observatório

Trazer florestas de volta é uma atividade de prioridade mundial para a redução dos impactos das Mudanças Climáticas

Diversos produtos florestais não madeireiros podem serem obtidos através do manejo florestal sustentável, ou seja, o cuidado necessário para sua conservação e perenidade. Um destes produtos são as sementes – um insumo primordial para a cadeia da restauração ecológica. Através das sementes tem início a produção de mudas em viveiros.

Baru Observatório

04 de fevereiro de 2024

Compartilhe nas redes sociais

Ipê (Instituto de Pesquisa Ecológica)

Trazer florestas de volta é uma atividade de prioridade mundial para a redução dos impactos das Mudanças Climáticas. A Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu esta como a Década da Restauração de Ecossistemas (2021 – 2030). O objetivo é interromper e reverter a degradação dos ecossistemas em todos os continentes e oceanos. E isso é realizado através da restauração ecológica, ou seja, plantios que tenham como meta o retorno de complexos ecossistemas, alinhados ao bioma em que estão inseridos.

As árvores plantadas, assim como outros tipos de vegetação presentes em florestas biodiversas, absorvem carbono ao logo de seu crescimento, contribuindo para a redução dos Gases de Efeito Estufa (GEE) da atmosfera. O solo destes locais também armazena carbono, estocado na serrapilheira – cobertura de folhas e matéria orgânica que caem das árvores. 

A restauração ecológica é uma atividade dependente de vários fatores. Para que ela possa acontecer são necessários: financiamento, gestão, avaliação do ecossistema, disponibilidade de mão de obra, obtenção de sementes, produção de mudas, monitoramento e engajamento comunitário. Todos estes aspectos são elos da cadeia restauração. Nela, os remanescentes de florestas têm um papel fundamental. É nestes locais que podem ser obtidas informações sobre a vegetação local, como, por exemplo, quais as espécies que ocorrem naquela região. Cada área de floresta possui especificidades e quanto mais próxima a vegetação original de cada microrregião, maior a chance de sucesso das restaurações.

Diversos produtos florestais não madeireiros podem serem obtidos através do manejo florestal sustentável, ou seja, o cuidado necessário para sua conservação e perenidade. Um destes produtos são as sementes – um insumo primordial para a cadeia da restauração ecológica. Através das sementes tem início a produção de mudas em viveiros. Para produzir boas mudas é preciso que elas possuam ampla diversidade genética que pode entendida como a somatória das variações genéticas observadas em uma população ou espécie.

Mesmo que possam parecer iguais, cada árvore possui uma genética única. Essa diferença é imprescindível para a recuperação da biodiversidade. Isso garante que as mudas utilizadas no plantio não sejam estéreis, ou seja, são capazes de gerar descendentes saudáveis. No caso de adversidades, cada indivíduo reagirá de forma diferenciada, o que aumenta a capacidade da floresta de se recuperar e se propagar.  Por esse motivo existem metodologias de coleta desenvolvidas a partir de critérios técnicos que visam garantir a qualidade das sementes e sua variabilidade genética.

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.