Logo Baru Observatório

Software será capaz de prever eventos como secas ou temporais décadas à frente

O projeto, parte do Programa da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), busca integrar dados climáticos do passado, presente e futuro para oferecer uma nova perspectiva na previsão de eventos climáticos e suas variações.

Baru Observatório

25 de março de 2024

Compartilhe nas redes sociais

O Globo

A Universidade Federal Fluminense (UFF), em parceria com a Engie Brasil Energia e a Fundação Euclides da Cunha (FEC), está desenvolvendo o Projeto Tupã, uma ferramenta de previsibilidade climática com capacidade de mostrar tendências do clima em uma escala de décadas à frente. O projeto, parte do Programa da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), busca integrar dados climáticos do passado, presente e futuro para oferecer uma nova perspectiva na previsão de eventos climáticos e suas variações.

A iniciativa destaca que a falta de longas séries históricas de dados climáticos representa um desafio significativo na previsão, especialmente no Brasil, onde os registros raramente ultrapassam 80 anos. O Projeto Tupã visa superar essa limitação, contribuindo para uma melhor compreensão e antecipação dos fenômenos climáticos, com potencial impacto em diversas áreas, incluindo a energia e o meio ambiente.

De acordo com a coordenadora do projeto, a professora Ana Luiza Spadano Albuquerque, do Departamento de Geologia e Geofísica da UFF, o objetivo do Tupã é criar um software avançado que permita aos técnicos da Engie buscar e integrar uma vasta gama de dados climáticos. Esta ferramenta oferecerá análises detalhadas para fundamentar decisões estratégicas sobre o clima de regiões específicas do país, contribuindo para garantir maior segurança no planejamento de recursos e na gestão de riscos associados às mudanças climáticas.

— Estamos construindo uma ferramenta para que o operador possa observar as tendências climáticas considerando largas escalas temporais. Ou seja, em vez de observar os padrões de precipitação em um bacia nos últimos 50 anos, ele pode observar as tendências da variabilidade da precipitação nos últimos 21 mil anos, verificar essas mesmas tendências com medidas instrumentais que cobrem algumas dezenas de anos e também simular o futuro com base nas saídas de modelos numéricos. O software Tupã conjuga todas essas informações e, com isso, aumenta muito a capacidade de tomada de decisões — explica Ana Luiza.

Segundo a coordenação, o projeto encontra-se na etapa final de interpretação das variabilidades climáticas regionais, aplicando as ferramentas analíticas desenvolvidas para produzir diagnósticos que auxiliarão a Engie na tomada de decisões relacionadas à produção de energia. A previsão é que seja concluído em junho deste ano.

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.