Logo Baru Observatório

Oceanos abrigam mais de 2 milhões de toneladas de plástico

Estudo que analisou a quantidade de lixo plástico presente nos mares do mundo aponta os plásticos de uso único como os principais poluentes. Se medidas não forem tomadas, a quantidade pode aumentar em mais de duas vezes até 2040.

Baru Observatório

14 de fevereiro de 2024

Compartilhe nas redes sociais

National Geographic

Um estudo produzido pela 5 Gyres Institute, organização sem fins lucrativos que investiga  as principais questões mundiais sobre a poluição plástica, estima que o lixo plástico no oceano some 170 trilhões de partículas, o que significaria uma massa total de 2,3 milhões de toneladas de plásticos nos mares do mundo.

A pesquisa, publicada em março deste ano na revista Plos One, analisou dados coletados de 1979 a 2019 a partir de 12 mil pontos de amostragem nos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico, além de locais específicos como o Mar Mediterrâneo. Os autores também fizeram uma extensa revisão de estudos anteriores e de trabalhos ainda não publicados cedidos por outros cientistas para garantir um resultado preciso e abrangente. 

De acordo com as análises, o número de partículas plásticas no oceano aumentou mais de dez vezes entre 2005 e 2019. Em 2005, o mesmo instituto havia calculado 16 trilhões de partículas no oceano.

Os resultados alertam para um aumento “rápido e sem precedentes” na poluição plástica oceânica e aponta especialmente o descarte inadequado de plásticos de uso único como culpado. Segundo o estudo, os sistemas de gerenciamento de resíduos não acompanharam o ritmo de consumo de plásticos, que chegam aos mares arrastados pelos os rios que, por sua vez, ficam cheios de plástico levados pela chuva, vento e transbordamento de bueiros e lixo. 

Uma vez que o plástico chega ao oceano, ele tende a se decompor em pedaços cada vez menores, até ficarem minúsculos, como os chamados microplásticos

Leia a matéria completa no site Oceanos abrigam mais de 2 milhões de toneladas de plástico | National Geographic (nationalgeographicbrasil.com)

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.