Logo Baru Observatório

Governo monta força-tarefa para conter desmatamento no Cerrado

Em uma reunião no Palácio do Planalto, coordenada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Rui Costa, participaram os governadores dos estados que abrangem parte do Cerrado, bem como autoridades do governo e representantes da sociedade civil. A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, destacou a importância do engajamento dos estados, ressaltando que, ao contrário da Amazônia, no Cerrado são os estados que têm maior capacidade de ação.

Baru Observatório

01 de abril de 2024

Compartilhe nas redes sociais

Uma força-tarefa envolvendo o governo federal e sete estados, além do Distrito Federal, foi criada para enfrentar o avanço do desmatamento no Cerrado, em contraste com a situação da Amazônia. O objetivo é conter a degradação do segundo maior bioma brasileiro, que abrange um quarto do território nacional. Essa iniciativa é parte do Plano de Ação Contra o Desmatamento do Cerrado (PPCerrado), retomado no ano passado.

As medidas propostas incluem a criação de uma força-tarefa com a participação direta dos governadores, além do trabalho de unificação das bases de dados dos estados com o governo federal, especialmente no que se refere ao Cadastro Ambiental Rural (CAR). Este último foi enfraquecido em governos anteriores, levando os estados a desenvolverem suas próprias plataformas de acompanhamento da situação dos imóveis rurais. Um grupo de trabalho entre ministros e governadores será formado para acompanhar os dados e tomar decisões.

O Cerrado, fonte de 40% da água doce do país, tem enfrentado um aumento alarmante no desmatamento, especialmente na região conhecida como Matopiba, composta pelos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Essa área é considerada a nova fronteira agrícola do país e responde por quase 75% do desmatamento no bioma.

Durante a reunião, o Ministério do Meio Ambiente alertou para os impactos do desmatamento, como mudanças no regime de chuvas e desertificação de áreas próximas ao Cerrado. O apoio dos estados na força-tarefa pode garantir a liberação de recursos do Fundo Amazônia para financiar ações de monitoramento e controle em outros biomas.

Foto: Thomas Bauer

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.