Logo Baru Observatório

Goiás e Minas lançam plano para conservar espécies ameaçadas

Atividades alcançarão 18 municípios de Goiás e 15 do estado de Minas Gerais. Além das nove espécies-alvo, outras 89 serão beneficiadas

Diário do Estado GO

03 de agosto de 2023

Compartilhe nas redes sociais

Os governos de Goiás e de Minas Gerais lançaram um Plano de Ação Territorial (PAT) que visa conservar nove espécies ameaçadas de extinção e que foram registradas, em algum momento, nesses dois estados. São três tipos de peixe, quatro espécies de planta, um invertebrado e um mamífero.

As ações ocorrerão em 18 municípios goianos e 15 mineiros. A coordenação caberá ao respectivo órgão ambiental de cada estado. No caso de Goiás, será a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad).

As espécies-alvo da flora são:

LEIA TAMBÉM

• AMMA deverá pagar mais de R$ 20 mil aos donos de cachorro que morreu na Praça do Avião• Multas por pesca ilegal no Araguaia passam de R$ 209 mil• Agrodefesa aumenta monitoramento de morcegos contra raiva em herbívoros

  • Diplusodon panniculatus Koenhe (um subarbusto de ocorrência rara, restrita ao município de Cristalina);
  • Diplusodon retroimbricatus Koenhe (um subarbusto que ocorre em Formosa e que está se tornando raro em razão da expansão da área ocupada);
  • Eriope crassipes subsp. cristalinae Harley (subespécie que também ocorre em Cristalina);
  • Jacaranda intricata (uma espécie arbustiva endêmica em Goiás que inspira investimentos em pesquisa e esforços de coleta).

Os tipos de peixes elencados como alvo são:

  • Hypsolebias virgulatus (que tem uma única localidade-tipo conhecida, uma poça temporária no município mineiro de Unaí);
  • Hypsolebias stellatus (cuja ocorrência é registrada em apenas oito poças temporárias, duas delas no município mineiro de São Francisco);
  • Simpsonichthys zonatus (que ocorre em poças do rio Urucuia, na bacia do São Francisco).

O invertebrado eleito como espécie-alvo do PAT é o Plesiophysa dolichomastix (caramujo-de-água-doce pequeno e registrado na lagoa da Pedra, em Formosa), e o mamífero é o Juscelinomys candango (conhecido como rato-candango, um pequeno roedor de pelagem-castanho-alaranjado no dorso, tracejado de preto). Ele não é encontrado desde 1960, e seu último registro foi na Fundação Zoobotânica de Brasília.

AÇÕES PARA CONSERVAR ESPÉCIES AMEAÇADAS DE EXTINÇÃO

O PAT elenca 25 ações organizadas em três grupos de objetivos específicos. Entre as ações, estão mapear remanescentes de vegetação nativa no território; mapear áreas de provável ocorrência de espécies de rivulídeos e moluscos; coletar germoplasma; estudar variabilidade genética de três espécies-alvo; elaborar a lista de espécies ameaçadas de extinção em Goiás e Minas; estimular a criação de unidades de conservação municipais; retificar o CAR das propriedades no território; e potencializar projetos de Pagamento por Serviço Ambiental (PSA).

Um dos objetivos principais dessas ações é neutralizar os fatores que representam risco à preservação das espécies, é o que o PAT chama de “vetores de pressão”. A lista tem, por exemplo, desmatamento, rebaixamento do lençol freático, queimadas, parcelamento irregular do solo e poluição. Além dessas espécies-alvo, estima-se que outras 89 serão beneficiadas com a execução do plano.

HOMENAGEM

O PAT recebeu o nome de Veredas Goyaz-Geraes inspirado no livro Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa. As veredas, além de serem uma fitofisionomia caracterizada por ser alagada e apresentar palmeiras do buriti, também são descritas como caminhos estreitos e sinuosos que passam por terras baixas (como o Cerrado brasileiro).

© 2024 Baru Observatório - Alguns direitos reservados. Desenvolvido por baraus.dev.